jusbrasil.com.br
19 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de Goiás TJ-GO - Apelação (CPC): XXXXX-64.2017.8.09.0051

Tribunal de Justiça de Goiás
há 3 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

4ª Câmara Cível

Partes

Publicação

Julgamento

Relator

BEATRIZ FIGUEIREDO FRANCO

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-GO__01154676420178090051_eb543.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

APELAÇÃO. INDENIZAÇÃO. COMÉRCIO ELETRÔNICO. "MERCADO PAGO". RESPONSABILIDADE OBJETIVA. DANOS MATERIAIS E MORAIS CONFIGURADOS. PROVIMENTO.

1. A relação jurídica desenvolvida no comércio eletrônico é tipicamente de consumo por preencher todos os requisitos do Código de Defesa do Consumidor.
2. Cabível o dever de indenizar porque demonstrado o dano e o nexo causal pela ausência de procedimentos fiscalizatórios, inclusive pelo fato da apelada ter aceito cadastramento de menor em seu site eletrônico de vendas online, apesar de exigir idade mínima de 18 anos. 3. Cabe ao apelante ressarcimento por dano material experimentado no valor do celular, considerando o da data do evento danoso, corrigido monetariamente, desde então. 4. É presumível a necessidade de aparelho eletrônico na rotina de um adolescente de 17 anos prestes a submeter-se aos exames para ingresso no ensino superior. Não se olvida o sentimento de aflição suportado pelo apelante pela perda do patrimônio, ainda que de valor irrisório, fatos que ultrapassam meros dissabores do cotidiano, a justificar o dano moral. 5. Dano moral fixado em R$ 2.000,00 (dois mil reais), montante razoável e proporcional, apto a reparar o dano sofrido pelo consumidor e desestimular a repetição da conduta lesiva pela empresa. 6. Apelo conhecido e provido. 7. Ônus sucumbenciais invertidos.

Decisão

Decide o Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, pelos componentes da 1ª Turma Julgadora da 4ª Câmara Cível à unanimidade de votos, conhecer e prover o apelo nos termos do voto da relatora. Participaram do julgamento, além da relatora, Dr. Sebastião Luiz Fleury (em substituição à Desª. Nelma Branco Ferreira Perilo) e o Des. Carlos Escher. A sessão foi presidida pela Desembargadora Elizabeth Maria da Silva. Presente ao julgamento o Procurador de Justiça José Eduardo Veiga Braga. Documento datado e assinado no próprio sistema.
Disponível em: https://tj-go.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/745509179/apelacao-cpc-1154676420178090051

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 6 meses

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Recurso Inominado: RI XXXXX-25.2021.8.16.0069 Cianorte XXXXX-25.2021.8.16.0069 (Acórdão)

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Recurso Cível: XXXXX RS

Tribunal de Justiça de Goiás
Jurisprudênciahá 9 meses

Tribunal de Justiça de Goiás TJ-GO: XXXXX-23.2019.8.09.0051

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 10 meses

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC XXXXX-35.2020.8.13.0145 MG

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 5 meses

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Recurso Inominado: RI XXXXX-74.2020.8.16.0160 Sarandi XXXXX-74.2020.8.16.0160 (Acórdão)